A “buyer persona” é a descrição do cliente ideal e é uma das ferramentas mais importantes em uma estratégia de marketing digital. Trata-se um personagem semifictício criado para ajudar a compreender quem é essa pessoa. Sua criação depende de pesquisas de mercado e análise de dados reais do público atual. Mas qual sua utilidade?

A “persona” possibilita o direcionamento do conteúdo da forma mais otimizada. Através dela, aumentam-se as chances de acertar o tom e os meios das mensagens, podendo-se criar posts, eBooks, conteúdos de redes sociais e anúncios que “conversam” com o consumidor ideal.

Qual a diferença entre “persona” e público-alvo?

 A principal diferença é que na descrição da “persona” são considerados dados comportamentais, e no público-alvo não. Ou seja, a “persona” é como um “zoom” no público-alvo, permitindo enxergar mais coisas, mais detalhes e mais informações.

 

Criando uma Buyer Persona:

Para criação da “persona”, é necessário coletar dados e informações sobre os clientes atuais da empresa ou daqueles desejados como tais. As principais características que devem ser pesquisadas são:

Informações demográficas: homem, mulher, renda, idade, onde mora etc.;

Trabalho: ferramentas que utiliza, rotina, horários, preferências etc.;

Empresa: qual segmento de atuação, número de funcionários etc.;

Objetivos da “persona”: quais são seus objetivos, de que forma a empresa pode ajudar a alcançá-los, o que ela valoriza etc.;

Pontos fracos, problemas, dores: quais as suas dificuldades, o que impede de alcançar seus objetivos etc.;

Consumo de informações: o que costuma ler, como se atualiza para o trabalho, de que forma se mantém informada (rádio, jornal, TV, internet) etc.;

Informações comportamentais: gostos pessoais, sensibilidade a preços, qualidade desejada de um produto, como age antes de uma compra (se por impulso ou de forma racional) etc.;

Informações pessoais: escolaridade, estado civil, se tem filhos, rotina fora do trabalho, valores, estilo de vida, personalidade, hobbies etc.

Veja abaixo um exemplo para ilustrar a aplicação da construção da “persona”.

Depois preencha os dados.

A partir da construção da “persona”, uma empresa tem melhores condições de produzir conteúdos mais atrativos e pertinentes aos interesses do público correto. Um consumidor tende a comprar de quem tem mais conhecimento sobre sua área de atuação, logo, quem produz mais conteúdos relevantes e que demonstrem esse conhecimento, larga na frente.

Algumas dicas importantes nesse contexto são:

  • Considerar o tipo de negócio da empresa (se B2B ou B2C);
  • Evitar criar muitas “personas”;
  • Descartar dados que não contribuam com o processo;
  • Considere o funil de vendas;
  • Dar valor aos dados e não aos “achismos”.

Os resultados desse tipo de estratégia geram uma melhor experiência para o usuário e ajudam a formar um comprador mais engajado com o negócio da empresa. Por isso, criar a “persona” é um dos primeiros passos de um correto planejamento de marketing digital.