Um conteúdo visual bem elaborado pode fazer uma marca se destacar e se diferenciar no meio da multidão. Em uma era em que empresas e consumidores são bombardeados por informações a todo instante, investir no design para ações de marketing digital de sucesso se tornou o pulo do gato!

 

Sem um visual instigante, o conteúdo se torna irrelevante. Não desperta a atenção dos usuários e, pior ainda, denigre a reputação da marca. Isso porque as pessoas procedem por associação: ligam uma imagem a uma marca e fazem um juízo de valor (é inteligente, é inovador, é interessante… ou é medíocre, é entediante, é chato etc.). Por esse motivo, é preciso dar atenção ao conjunto da obra: no final das contas, o que ela transmite? Qual o saldo?

Produzir conteúdo regularmente também é essencial para uma boa performance na internet, independentemente do canal utilizado, seja blog, redes sociais, e-mail marketing etc. Além disso, é necessário facilitar a identificação e interpretação da mensagem, porque hoje as pessoas não têm tempo, querem velocidade, agilidade (imagem à juízo de valor).

Na verdade, as boas práticas do marketing digital ensinam que só uma imagem não é suficiente para se ter um conteúdo de valor. Porém, é parte radical. Outras peças desse conjunto são a construção de um bom texto, adequação às “personas”, uma estratégia bem fundamentada etc. Podemos inferir que a imagem é a base, portanto, o primeiro passo é que ela tenha coerência com o público que se quer alcançar. São advogados? São educadores físicos? São comerciantes? São programadores de software? São adolescentes? Cada tipo de público costuma ter um alfabeto de imagens que orbita seu dia a dia, e é esse alfabeto que precisa ser construído e respeitado.

Ok, mas como um design em marketing digital pode ajudar a alavancar a imagem de uma marca e atingir objetivos? Como fazer um site vender mais? Foi refletindo sobre perguntas dessa natureza que preparamos uma lista de atitudes que podem fazer o design e os conteúdos terem maior potencial:

– Padronizar a capa e avatar das redes sociais da marca (todas elas);

– Manter publicações constantes: seguir um planejamento, não parar de postar, sustentar ritmo contínuo;

– Ter padrões para diferentes editorias (assuntos): identificar a marca nas postagens, mas diferenciar os tópicos ou assuntos. Assim, é facilitada a identificação da informação e mantido o engajamento;

– Logo: respeitar as aplicações do uso da marca SEMPRE;

– Usar “personas”: no artigo “Buyer Persona: o que é e como criar, tratamos da importância dessa ferramenta e mostramos como é norteador para as campanhas de marketing;

– Manter a coerência: dentro de uma mesma campanha, as peças precisam ter unidade, assim, facilmente as pessoas identificam que se trata daquela marca e daquela campanha;

– Mostrar as informações: ser objetivo, mostrar a que veio, o que é aquela marca;

– Construir narrativas visuais: promover uma personalidade, fazer as pessoas identificarem que aquela mensagem é de determina marca apenas por verem a imagem;

– Projetar conteúdo específico: cada plataforma exige um formato e linguagens específicos. Portanto, é necessário ajustar para que a campanha se adeque a cada um deles, mas sem sair do padrão inicial. A palavra aqui é: COERÊNCIA!;

– Usar fotos atraentes: uma boa imagem vale por mil palavras não é um chavão sem fundamento;

– Usar frases inspiradoras: motivar as pessoas com conteúdos que elevem a autoestima e que sejam promotoras de ação;

– Chamar as pessoas para a ação: instiga-las a uma ação, seja visitar o site, ler o texto do blog, cadastrar-se etc.;

– Mostrar dados interessantes: como resultados, números, informações que sejam importantes para o usuário;

– Fazer perguntas estimulantes: instigar as pessoas, questioná-las. Fazer com que elas interajam e deixem a sua opinião;

– Diversificar o formato do conteúdo: apresentá-lo de maneira diferente, como vídeos, infográficos, gifs etc.;

– Dar destaque ao que merece destaque: não chamar a atenção para muitas coisas, mas ser direto. A palavra aqui é CLAREZA.

Em resumo, no marketing digital é necessário facilitar a vida do consumidor, entregando a ele a informação de que precisa, com clareza, e, sobretudo, com um design agradável, atrativo e potente. Uma dica essencial é que se trabalhe com um designer profissional, pois o mercado identifica facilmente quando um material gráfico é criado por um especialista ou não. E essa impressão reflete imediatamente no juízo de valor que o consumidor forma sobre determinada marca.